Sem Cabimento (2015)

Como caber onde não se percebe o encaixe? Já viveu o sentimento de desajuste, de inadequação em relação às ordens sociais estabelecidas? Pois é disso que “Sem Cabimento” trata: da dificuldade de se “conformar” em padrões, da angústia frente à naturalização da violência, da intolerância, das consequências viciosas das relações de poder e valor, da não-aceitação da diferença. Corpos femininos e indignados se revelam em suas potências e fragilidades. Questionamentos que nos compõe são explicitados, seja como sujeitos na intimidade, seja como coletividade, desejando imprimir nos corpos a marca de uma existência que insiste em resistir à ordem social vigente. A falência é aceita, o imperfeito é escancarado, o erro é entendido como possibilidade poética. Os clichês aparecem, e público é convidado a ser cúmplice, seja pelo olhar à distância, pelo engajamento corporal, ou pela intromissão, decidindo os rumos desse encontro.

Colaboração criativa: Cecília Lauritzen, Diana Gilardenghi, Diana Piazza, Jussara Belchior, Michele Louise Schiocchet, Milene Duenha, Paloma Bianchi, Raquel Purper.

Performers: Cecília Lauritzen, Diana Gilardenghi, Diana Piazza, Milene Duenha, Paloma Bianchi, Raquel Purper.

Produção : Gabriel Campos

  • “XOKE” Mostra de Performance da Casa Vermelha. 7 de junho 2015, Micro Centro Cultural Casa Vermelha, Florianopolis.
  • Semana Performática. 25 de setembro, SESC Prainha, Florianópolis
  • Mostra BRECHA. 10 de outobro, Casa Vermelha, Florianópolis

fotos: Cristiano Prim

Ce

eu raq calcinha Mi eu e Mi prancha eu e Di Diana P coisa do diabo _MG_8887